“Se os jovens realmente entendessem que são justificados e foram limpos por Cristo, eles iriam se sujar menos”

janeiro 19, 2016 1 Comment »

Ressaltou o Pastor Lucas durante entrevista exclusiva concedida ao REGIONAL

O dono da voz que recentemente conquistou as rádios evangélicas com a música “Deus de detalhes” concedeu uma entrevista exclusiva ao Jornal Regional Evangélico. O compositor que saiu da cidade de Arthur Nogueira, no interior de São Paulo, e já viaja por todo o país levando a mensagem de Cristo através de suas canções é o Pastor Lucas. A entrevista foi na Catedral das Assembleias de Deus em Santa Cruz (CADESC), presidida pelo pastor José Pedro Teixeira. Ele falou sobre a carreira musical, de suas composições, da família, e ainda discorreu sobre os desafios da juventude cristã. O Pastor Lucas também contou sobre o trabalho que desempenha através do Seminário Jovens Na Visão, liderado por ele na cidade onde mora. Confira a entrevista.

JRE: Como foi sua experiência de conversão?
Pastor Lucas: Eu nasci em berço evangélico. Minha mãe conta que ela foi desenganada pela medicina quando engravidou de mim. Os médicos aconselharam que ela abortasse. Mas ela foi a um culto, e lá o pastor profetizou que dentro do ventre dela havia alguém escolhido por Deus, e que Deus estava dando vida aquele bebê novamente. Em fim, eu sou fruto do milagre de Deus. Nasci na igreja, cresci na igreja, e aos 13 anos, adolescente cabeça dura, eu saí da igreja para conhecer o mundo e acabei me decepcionando. Um ano depois eu retornei. Não existe nada melhor que estar na casa de Deus. Aos 15 anos conheci um pastor, meu pai na fé, que hoje é o meu sogro, que alinhou o meu coração. Como eu ouvia muita profecia a respeito do chamado de Deus, eu era um adolescente que sonhava com aquele glamour dos palcos. E ele foi o cara que me ensinou a amar as coisas simples, a tocar para minha igreja com o mesmo prazer que eu tocaria em um super show. Com o tempo eu acabei me desligando desse sonho.

JRE: E como foi que o sonho esquecido se tornou real?
Pastor Lucas: Aos 28 anos de idade, as canções que eu escrevo começaram a sair da minha cidade. O Regis Danese, um grande amigo que me abriu as portas, gravou a minha primeira música conhecida que foi a “Tu podes”, e depois vários cantores gravaram músicas minhas: Bruna Karla, Fernanda Brum, Aline Barros, Kleber Lucas, PG, a família Nascimento. Em função disso, a minha voz acabou chegando à gravadora MK. O compositor geralmente não é uma pessoa procurada, e isso não me incomodava, eu achava até legal essa coisa do ministério nos bastidores, que ia de encontro aquele glamour dos palcos que um dia em tanto sonhei. Eu queria o foco, e de repente eu me vi nos bastidores. Esse período foi muito bom para minha vida. Até que uma vez eu liguei para MK, para acertar uns documentos de uma música do Regis e aí pediram que eu enviasse músicas. Eu corri para o estúdio de um amigo meu, o Josué Godoy, que é produtor dos meus discos, gravei e enviei. Mas nem passava pela minha cabeça o que aconteceu, porque além de eu ter a surpresa da Aline Barros gravar a “Casa do Pai”, “Evolução” e “Poder da Cruz”, eu recebi uma ligação da dona Yvelise de Oliveira, a dona da MK, dizendo: ‘Eu vou pagar a sua passagem para o Rio de Janeiro, vem para cá porque Deus mandou eu gravar você’. Eu fiquei chocado com o que Deus fez. Deus me surpreendeu em cada detalhe, em cada ponto da minha história, eu sou um cara muito feliz por esse Deus tão bom.

JRE: Qual o nome da sua igreja e do seu pastor?
Pastor Lucas: Minha igreja é a Comunidade Vida no Altar, dirigida pelo meu sogro, o pastor
Maurício Ramer. A igreja fica na cidade de Arthur Nogueira, no interior de São Paulo. Eu sou pastor do Ministério de Jovens, que se chama Jovens Na Visão (JNV).

E como foi lançar o primeiro CD e ter suas músicas tocadas nas principais rádios do país?
Eu só tenho um sentimento para expressar: gratidão ao Senhor. Sinceramente acho que se Deus tivesse me dado isso lá atrás eu teria me perdido, porque eu queria as luzes, eu queria o foco, então lá atrás isso seria um grande problema para mim. E hoje eu entendo que Deus vai trabalhando em cada detalhe da nossa vida, ele vai te ajustando, ele vai melhorando o seu caráter. Então hoje eu me sinto muito feliz em poder servir no reino de Deus com as minhas canções. Eu até gosto de tirar foto com os adolescentes, com os jovens. Até mesmo para eles verem que eu sou uma pessoa normal, de carne e osso, acessível. Acho que dessa forma eu sou visto como referência e não como um ídolo inacessível, que canta e vai embora.

Como começaram as suas composições?
Eu comecei escrevendo muita música ruim (risos). A minha igreja foi a minha escola.
A gente cresce, amadurece. Mas eu não sou compositor de escrever frases e jargões e o conhecimento da Palavra é um dos fatores fundamentais para você saber o que escreve. A Bíblia foi a fonte de tudo isso, quando eu me apaixonei pela Bíblia, quando eu quis entendê-la, foi que eu comecei a escrever melhor.

Você fala da sua cidade com muito orgulho, como é o trabalho que você exerce lá?
Eu tenho um seminário chamado Jovens Na Visão e o objetivo dele é impactar a cidade.
O meu maior sonho hoje é ver a minha cidade inteira rendida aos pés de Deus, é ver os Jovens Na Visão expandir. Hoje eu prego na rua, nos ônibus, prego na cidade, não tenho vergonha do evangelho. As pessoas já me conhecem por lá, sabem que eu sou pastor. Quero que todos os jovens da minha cidade participem do Congresso da igreja, ao invés do carnaval. Eu quero que o carnaval acabe na minha cidade, não que a igreja vá lá e intervenha, mas que a obra da igreja naquele lugar seja tão forte que o carnaval será diminuído pelo poder de Deus. Será uma festa tão frustrada, que uma hora vai acabar e o reino de Deus vai crescer e expandir; é tudo o que eu quero.

O que mais impede os jovens de servirem a Deus na atualidade?
Eu acho que a dificuldade ainda é a mesma do passado. Cometemos um erro muito grande ao pregar repetidamente sobre a consciência de que eles são pecadores e que precisam da graça de Deus. Isso acaba soando como se a graça de Deus nunca os alcançasse. Essa mensagem precisa ser invertida, eles precisam crer que são justificados. Quando você compra uma roupa nova, bonita, um tênis que você tanto desejava, você vai para a igreja e nem pisa no chão direito, porque você está arrumado demais, limpo demais. Mas quando você usa o tênis velho de todo dia, a roupa de toda semana, você não se importa em encostar-se à parede da igreja, em sujar um pouquinho de tinta. Há um texto bíblico que diz: “Quem é limpo, limpe-se mais e quem é sujo, suje-se mais ainda”. Se os jovens realmente entendessem que são justificados e foram limpos por Cristo, eles iriam se sujar menos. Eles se sujam bastante porque a igreja, por mais que queira mostrar a graça, ainda os convence mais de que são pecadores. É como se eles nunca chegassem a lugar nenhum; eu nunca oro o bastante, eu nunca me santifico o bastante, eu nunca sou crente o bastante. Então a sensação de desaprovação está o tempo todo sobre a juventude. Em todo culto de juventude, o pregador fala sobre pecado, pecado e pecado. Ninguém olha para eles e diz: “Você é justo em Cristo Jesus!”. Eles precisam crer na justificação. Os programas de TV estão os induzindo a ousar, e se eles não forem convencidos de que estão justificados e forem à igreja todo dia com a sensação de pecador, a tendência é ele pensar: “Bom… como eu já estou no pecado, então vou cometer mais um, mais outro… Mas quando eles se sentirem com essa roupa limpa, com esse tênis novo, eles irão andar com mais cuidado para não se sujar.

O que te leva a estar aos pés do Senhor Jesus a cada dia?
A graça dele de escolher um cara ruim como eu. A graça dele de me aceitar, de me suportar,
de não desistir de mim, de sempre me dizer que tem um plano na minha vida. Ele pegou minhas canções, colocou nas rádios e está repartindo com o mundo. Não tem nada em mim para que eu realmente seja digno dEle. Então essa graça me surpreende, não tem explicação.

Fala um pouquinho da sua família, da sua esposa, do seu filho.
Eu sou casado há 12 anos com uma mulher maravilhosa, que é 50% de mim. Eu casei aos 18 anos, cabeçudo, infantil, e ela foi me ajudando a crescer, porque a mulher é sempre mais madura que a gente. Meu filho é o Samuquinha, é um milagre de Deus literalmente, porque nós perdemos o primeiro bebê e ela teve que retirar uma trompa. Então a segunda gravidez foi turbada, também porque ela já tinha o ovário policístico e a dificuldade era maior ainda. Mas o Samuel veio, realmente foi pedido a Deus. Ele tem seis anos e é um sapecão, gosta de luta de kung Fu, quer ser lutador de MMA vê se pode? Minha família é o maior presente que eu ganhei de Deus.

Compartilhar!

POSTS RELACIONADOS

One Comment

  1. marcia caetano 24 de janeiro de 2016 at 13:25 - Reply

    ME ORGULHO PELA A DIREÇÃO DO JORNAL REGIONAL, VEM SEMPRE BUSCANDO O CONHECIMENTO E A SABEDORIA QUE PRECISAMOS PARA VENCER DIA A DIA NA PRESENÇA DO SENHOR JESUS.

Deixe uma resposta:

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *